O projeto Ouvindo por Acaso, do Museu do Folclore de São José dos Campos, oferece periodicamente aos seus visitantes e às pessoas que trafegam por suas imediações, uma experiência sonora a respeito da cultura brasileira, que tem na música fortes raízes populares e manifestações folclóricas.

 

A intenção é que o público possa ouvir ‘por acaso’ (por meio de som mecânico), na área externa do Museu do Folclore, músicas do seu acervo, executadas de acordo com o ciclo cultural da época. Coordenado pela biblioteca do museu, o projeto também pode ser acompanhado pela internet a partir de agora.

 

Mais informações: 3924-7318 /  bibliotecadomuseu@gmail.com

 

Cantigas de Roda

 

Fonte: https://www.todamateria.com.br/cantigas-de-roda/

Em julho, tradicionalmente celebramos no ‘Ouvindo por Acaso’ o período das férias escolares. Porém, devido à pandemia do novo coronavírus, adaptamos o nosso tema a uma nova perspectiva, a da quarentena. Rotineiramente, ano após ano, o mês ‘julino’ é o primeiro período de férias do calendário escolar, havendo um segundo no final do ano (dezembro).

 

No momento de isolamento social, a interação das crianças se limita aos indivíduos que moram com elas: os pais, irmãos, primos ou avós.  Existem muitas maneiras para consolidação dessa relação, algumas delas são de embasamento cultural popular e folclórico, aqui focado no aspecto das canções e das cantigas infantis.

 

Canções e cantigas infantis são segmentos da oralidade popular com influência da musicalidade. Dentre as mais conhecidas estão as canções de ninar – algumas na tradição popular servem para espantar os maus espíritos e as assombrações, para tranquilizar as crianças e, até mesmo, para transmitir bonanças e bons sonhos – e as cantigas de roda.

 

As cantigas de roda são um caso particular na cultura popular, pois além de elencar à oralidade, elas vinculam músicas (cantigas e canções) e brincadeiras (no caso as rodas) na sua construção.

 

O procedimento de sua constituição é minuciosamente orientado pela memória e pelo ambiente de vivência. Ou seja, letras da linguagem popular e do dia-a-dia, somadas a músicas que emitem sons conhecidos e acrescidas de brincadeiras rotineiras, conferem o enraizamento nas pessoas com intensa expansão nas práticas de grupos.

 

Esse segmento está presente em toda cultura brasileira, só que com diferentes empregos na educação, de maneira estritamente pedagógica; no lúdico, sob forma de diversão; na socialização, pois são atividades em que o convívio humano é imprescindível; e na arte, porque a música e os gestos emancipam e conferem ao ser humano (um grupo) uma identidade.

 

É justamente na identidade que se considera as canções e cantigas infantis, como uma das matrizes do folclore brasileiro. Suas letras simples, com uma linguagem popularesca, complementadas por melodias encantadoras, são totalmente receptivas às pessoas, independentemente de fatores sociais. Cada um a seu modo consegue compor ou transmitir, elevando assim ainda mais a cultura popular.

 

Confira várias músicas aqui

 

Referências:

 

ARAUJO, Ana Paula. Cantigas de roda. Disponível em: https://www.infoescola.com/folclore/cantigas-de-roda

BANDA SONORA. Cantigas de roda: músicas infantis folclóricas. v.II. CD de áudio; 51 min; 26 faixas; 3 exemplares.

SANSON, Susana; LIMA, Graça. Canta e dança. São Paulo: Brinque-book, 00002003. CD de áudio; 37 min; 26 faixas – acompanha livro. (Coleção Brinque-book).