Notícias

Museu do Folclore de São José dos Campos realizou no último domingo (1º), ao mesmo tempo, a abertura da exposição temporária Território de Sonhos e Lembranças e a primeira edição do programa Museu Vivo do mês de março. Em comum nos dois eventos, a presença da bordadeira e artista popular Therezinha Mariano Pinheiro, a Dona Thereza da Pousada do Vale.

 

Veja depoimento da artista

Confira as fotos da abertura

 

Foto: Paulo Amaral/FCCR

Chicão da Paçoca faz a iguaria no pilão

Também participaram do Museu Vivo o mineiro Antonio Francisco Pereira, o Chicão da Paçoca, e a dupla de violeiros Minuano e Hawai (Benedito Moreira e José Ramos). Assim como Therezinha no artesanato, eles também compartilharam seus saberes nas áreas da culinária e da música, como representantes da cultura popular regional.

 

Talento e experiência

 

Além de poder apreciar um dos 44 bordados e 4 desenhos em exposição, o público conversou com a artista e acompanhou um pouco do seu trabalho no espaço interativo criado especialmente para isso. A mostra segue aberta até o dia 31 de maio e pode ser visitada, gratuitamente, de terça a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados e domingos, das 14h às 17h.

 

Foto: Paulo Amaral/FCCR

A dupla de violeiros Minuano e Hawai

Os trabalhos são todos muito coloridos e têm imagens de figuras indígenas (seu pai e sua bisavó eram descendentes de índios), elementos da natureza e pássaros, lembranças da infância e das histórias que o pai da artista contava a ela. “Os trabalhos de Therezinha são fruto de seu talento aliado à sua experiência de vida”, destacou a museóloga Ana Silvia Bloise, curadora da exposição.

 

Perfil

 

Therezinha Mariano, 76 anos, nasceu na área rural de Itapetininga (SP), onde cresceu ao lado dos pais e dos irmãos. Aos 19 anos casou-se e veio morar em São José dos Campos, onde formou sua própria família. Há 25 anos mora no bairro Pousada do Vale, na região leste, na companhia de filhos, netos e nora.

 

Foto: Paulo Amaral/FCCR

Therezinha conversa com a museóloga Ana Silvia

Para ajudar o pai na lida do gado e outros afazeres na fazenda, Therezinha estudou até o terceiro ano primário na escola rural, mas isto não a impediu de aprender a desenhar e, até mesmo, a escrever contos sobre os desenhos que fazia. Segundo ela, para deixar registrado a memória do que havia conhecido na infância e que hoje já não se vive mais.

 

Visitas e Gestão

 

Durante a semana, de terça a sexta, as visitas em grupo podem ser feitas e devem ser pré-agendadas pelo site do Museu do Folclore, que está localizado no Parque da Cidade, em Santana, região norte. O museu foi criado em 1987 pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo e, atualmente, é gerido pelo Centro de Estudos da Cultura Popular (CECP), organização da sociedade civil sem fins lucrativos, com sede em São José dos Campos.

 

Museu do Folclore de SJC

Av. Olivo Gomes, 100, Parque da Cidade – Santana

(12) 3924-7318 / 3924-7354

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *